Warning: Declaration of YOOtheme\Theme\Wordpress\MenuWalker::walk($elements, $max_depth) should be compatible with Walker::walk($elements, $max_depth, ...$args) in /home2/amaliaro/public_html/wp-content/themes/yootheme/vendor/yootheme/theme/platforms/wordpress/src/Wordpress/MenuWalker.php on line 9
CASA MUSEU TEMPORARIAMENTE ENCERRADA

Uma Cantora do Mundo

Uma Mulher - Cinco Continentes

“Fui para fora com uma guitarra e uma viola, e fiz uma carreira internacional. Não foi o meu português, nem a minha falta de espectáculo. Foi a minha autenticidade que venceu.”


Ninguém diria que num bairro pobre da Lisboa Antiga nasceria a
cantora portuguesa mais conhecida de todos os tempos. A voz que levava o choro, a alma e a saudade de um povo percorreu os 5 continentes, mais de 68 países ilustrados mais abaixo nesta página, tornando-se na primeira artista portuguesa verdadeiramente internacional.

Falar do percurso de Amália é aceitar as dificuldades em mencionar todos os concertos, todas cidades ou todas as digressões. Talvez o Fado nos tenha dado Amália, mas Amália deu o Fado ao mundo. Das marchas populares às típicas casas de fado foram dois anos, das casas de fado às boîtes e danceterias da moda foram mais dois, de Portugal partiu para França e de França partiu para o mundo.



Actua pela primeira vez além-fronteiras com 23 anos em Espanha, viaja para o Brasil, para o México, actua nas celebrações do Plano Marshal por toda a Europa. Segue- se Nova Iorque, o Olympia de Paris, Israel, Moçambique, Inglaterra e Itália. Entra na década de 60 aclamada pela revista Variety como uma das cinco melhores vozes do mundo. Vai à Rússia, ao Japão, à Roménia, aos Países Baixos. Deixa a sua imagem de marca fincada nos palcos do Teatro Sistina, do Carnegie Hall, do Lincoln Center e do Hollywood Bowl. Em 1973, só em Itália dá mais de 80 concertos. Grécia, Turquia, Líbano, Austrália, Tunísia e Venezuela. 

Amália viveu no palco… são mais de 50 anos dedicados à música e acima de tudo ao seu público.



“O que me ficou disto tudo, deste trabalho todo, no fundo foi muito e foi enorme, mas o que me ficou disto tudo, foram as palmas, foi o público, foi o amor das pessoas. É ele que me tem alimentado.”

Sessão de autógrafos, década de 60

Informações retiradas da obra Amália, Uma Biografia de Victor Pavão dos Santos e do catálogo Amália: Coração Independente, 2009.

Canadá

EUA

México

Cuba

Jamaica

Honduras

Nicarágua

Colômbia

Venezuela

Brasil

Peru

Chile

Argentina

Uruguai

  • Canadá

  • EUA

  • México

  • Cuba

  • Jamaica

  • Honduras

  • Nicarágua

  • Colômbia

  • Venezuela

  • Brasil

  • Peru

  • Chile

  • Argentina

  • Uruguai

Escócia

Inglaterra

Bélgica

Luxemburgo

Alemanha

República Checa

Suíça

Itália

San Marino

Croácia

Hungria

Roménia

Geórgia

Azerbeijão

Arménia

Bulgária

Grécia

Chipre

Portugal

Irlanda

Espanha

França

Mónaco

Países Baixos

Dinamarca

Noruega

Suécia

Rússia

Polónia

  • Escócia

  • Inglaterra

  • Bélgica

  • Luxemburgo

  • Alemanha

  • República Checa

  • Suíça

  • Itália

  • San Marino

  • Croácia

  • Hungria

  • Roménia

  • Geórgia

  • Azerbeijão

  • Arménia

  • Bulgária

  • Grécia

  • Chipre

  • Portugal

  • Irlanda

  • Espanha

  • França

  • Mónaco

  • Países Baixos

  • Dinamarca

  • Noruega

  • Suécia

  • Rússia

  • Polónia

Argélia

Tunísia

Egipto

Cabo Verde

Angola

República do Congo

República Democrática do Congo

Tanzânia

Moçambique

Zimbabué

Antiga Rodésia

África do Sul

  • Argélia

  • Tunísia

  • Egipto

  • Cabo Verde

  • Angola

  • República do Congo

  • República Democrática do Congo

  • Tanzânia

  • Moçambique

  • Zimbabué

    Antiga Rodésia
  • África do Sul

China

Índia

Tailândia

Indonésia

Timor

Turquia

Líbano

Israel

Jordânia

Iraque

Japão

Coreia do Sul

  • China

  • Índia

  • Tailândia

  • Indonésia

  • Timor

  • Turquia

  • Líbano

  • Israel

  • Jordânia

  • Iraque

  • Japão

  • Coreia do Sul

Austrália

Nova Zelândia

  • Austrália

  • Nova Zelândia