A Fundação

Instituída por testamento de Amália Rodrigues


A Fundação Amália Rodrigues, instituída por testamento em 1997 e fundada a 10 de dezembro de 1999, com sede na Rua de São Bento, nº 193, pretende afirmar-se como uma instituição cultural e social, reconhecida a nível nacional e internacional pelo trabalho desenvolvido em termos de preservação, estudo e divulgação da vida e obra de Amália Rodrigues.

A “Voz de Portugal” deixou escrito em testamento a vontade de instituir uma Fundação com o seu nome que tinha como fins não só criar um Museu “Amália Rodrigues” como distribuir os seus eventuais rendimentos líquidos anuais pelas seguintes entidades: 15% para a Casa do Artista, 15% para o Centro de Saúde ou de Enfermagem e Primeiros Socorros do Brejão (caso viesse a ser construído) e os restantes rendimentos líquidos anuais de acordo com os objetivos da Fundação, tendo em conta os mais desfavorecidos, instituições de beneficência e de solidariedade social.

A Fundação Amália Rodrigues é ainda detentora dos direitos de nome e imagem da fadista, gerindo este património imaterial com o objetivo de captar apoios e receitas para concretizar a sua missão.

Até aos dias de hoje, a Fundação tem preservado e estudado todo o património que ficou ao seu cuidado, assumindo um claro compromisso de honrar a vontade da sua Fundadora. Não tem recebido, até à data, quaisquer comparticipações do Estado nem de outras entidades, sendo o seu financiamento assegurado pelas receitas geradas nas entradas da Casa Museu, pelo rendimento obtido através dos bens que Amália legou à Fundação e pela promoção de eventos, publicações literárias, álbuns e registos fonográficos e videográficos, objetos de ornamentação e coleção, entre outros, associados ao nome de Amália Rodrigues.


Visão

A Fundação pretende afirmar-se como uma instituição cultural e de solidariedade social, reconhecida pelo trabalho desenvolvido em termos de preservação, estudo e divulgação da vida e da voz de Amália Rodrigues.

Ambiciona ser uma instituição que contribua para a divulgação e promoção da identidade, da cultura e da língua portuguesas, relevando igualmente o seu papel e a sua ação em termos de responsabilidade social, nomeadamente, ao nível da solidariedade e da inclusão dos mais desfavorecidos.

Procura ser uma entidade interveniente e parceira ativa junto de todas as instituições e associações culturais relacionadas com o a temática do fado, e com a promoção da identidade, da língua e dos poetas portugueses.

Missão

A missão foi definida por Amália Rodrigues no seu testamento:

  • Constituição de uma Casa Museu na moradia onde residiu, aberto ao público para visitas;
  • Distribuição dos lucros da Fundação pela Casa do Artista, pelo Centro de Saúde do Brejão (localidade onde tinha a sua casa de férias) e pelos mais desfavorecidos, instituições de beneficência e de solidariedade social.

Valores

  • O claro compromisso com a vontade expressa pela fundadora no seu testamento;
  • O empenho e entusiasmo colocado no trabalho quotidiano para que a sua concretização seja uma realidade;
  • A busca pela excelência nos processos, no serviço aos visitantes e nos contactos com outras entidades;
  • A ética, transparência e rigor, quer ao nível interno quer externo, nas relações de trabalho, nos contactos profissionais, nos processos e nas relações entre todos e com todos;
  • A criação de uma envolvente favorável ao estreitar de laços com outras organizações congéneres e ao relacionamento construtivo com todos os parceiros da Fundação.